Câmara de Setúbal quer 3ME do Governo para a recuperação total do Convento de Jesus

Câmara de Setúbal quer 3ME do Governo para a recuperação total do Convento de Jesus
A presidente da Câmara de Setúbal, Maria das Dores Meira, apelou hoje ao Governo para que disponibilize os três milhões de euros necessários para a recuperação total do Convento de Jesus, classificado como monumento nacional desde 1910.
 
"Estamos a pedir ao Governo que assuma a sua responsabilidade de dono deste edifício, que é património nacional, não património municipal", disse a autarca aos jornalistas durante uma visita às obras realizadas na primeira fase de recuperação do convento, que permitiram estabilizar a estrutura geral de todo o edifício.
 
"Estamos a falar de três milhões de euros, uma vez que os outros três milhões de euros são do QREN [Quadro de Referência Estratégico Nacional]", acrescentou, lembrando que a verba necessária para a reabilitação total daquele monumento, encerrado há 23 anos devido ao estado de degradação em que se encontrava, é de seis milhões de euros.
 
Maria das Dores Meira lembrou também que, há cerca de dois anos, o Governo "deu a palavra à Europa Nostra, uma organização vocacionada para a preservação do património europeu, de que já tinha assegurado o dinheiro necessário para a recuperação do convento, quando o imóvel foi considerado como um dos sete monumentos europeus mais ameaçados".
 
A Câmara de Setúbal assumiu a liderança do processo de requalificação do Convento de Jesus após a assinatura de um protocolo com a Direção-Geral de Património e Cultura (antigo IGESPAR - Instituto de Gestão do Património Arquitetónico e Arqueológico), que, por incapacidade orçamental para a realização das obras, cedeu a posição de beneficiário da candidatura comunitária ao município setubalense.
 
As intervenções já realizadas no Convento de Jesus centraram-se na ala poente do primeiro piso, que acolhe o acervo do Museu de Setúbal, mas também permitiram estabilizar toda a estrutura do edifício, que vai reabrir ao público este mês, 23 anos depois de ter sido encerrado.
 
O autor do projeto, o arquiteto Carrilho da Graça, que também acompanhou a visita às obras já realizadas no Convento de Jesus, destacou a recuperação de azulejos e dos pavimentos cerâmicos, a limpeza e o restauro de pinturas murais e trabalhos em madeira, bem como a recuperação do claustro e da sala do capítulo, esta última ainda a decorrer.
 
"A Sala do Capítulo, do período do Alto Renascimento (séculos XVI e XVII), que é atribuída a António Rodrigues, arquiteto da Corte de Filipe II (Filipe I de Portuga), apresenta caraterísticas diferentes do resto do convento", disse Carrilho da Graça, assumindo que está "satisfeito" com os trabalhos já realizados para a recuperação e requalificação do Convento de Jesus.
 
A primeira fase das obras realizadas no Convento de Jesus, no valor global de 3,2 milhões de euros, vai permitir a reabertura ao público da área já recuperada a partir do dia 20 de junho.
 
Algumas zonas do Convento vão permanecer fechadas ao público até que seja possível realizar todas as obras que ainda são necessárias para a recuperação total do imóvel, onde se incluiu a remodelação da Praça do Convento.
 
A presidente da Câmara de Setúbal assegurou, no entanto, que vai continuar a desenvolver esforços para arranjar os seis milhões de euros que ainda faltam para a recuperação total do Convento de Jesus.
 
O Convento de Jesus, monumento nacional do período manuelino, foi o local escolhido para a ratificação do Tratado de Tordesilhas que dividiu o mundo entre Portugal e Espanha, em 1494.