Câmara de Cascais cria gabinete de apoio a moradores desalojados por incêndio

Câmara de Cascais cria gabinete de apoio a moradores desalojados por incêndio
A Câmara de Cascais criou um gabinete de apoio aos moradores desalojados pelo incêndio que deflagrou na madrugada de sábado no Cascais Atrium, destruindo vários apartamentos, e cujas obras de recuperação deverão demorar vários meses.
 
Em declarações à agência Lusa, o presidente da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras, disse que decorreu hoje uma reunião com responsáveis do condomínio para manifestar o apoio necessário na reconstrução das suas casas.
 
"Criámos um gabinete de apoio com técnicos para ajudar os moradores e estamos a acompanhar os processos a ser desenvolvidos pelo condomínio que é, para já, a colocação das portas nos apartamentos que ficaram em bom estado e que, por segurança, tiveram de ser arrombados", contou.
 
O autarca disse, ainda, que, das 146 frações habitacionais, 68 ficaram afetadas, que vão do 4.º até ao 9.º piso.
 
"Para já, estamos a tratar de repor as condições de segurança, depois teremos de proceder às limpezas e operações de fiscalização. A partir daí é que os projetos de requalificação, que deverão ser entregues à Câmara pelos proprietários, serão analisados", acrescentou.
De acordo com Carlos Carreiras, as obras de reabilitação dos apartamentos deverão durar, "pelo menos, seis meses".
 
A Câmara de Cascais ofereceu-se pra disponibilizar alojamento provisório aos moradores afetados, tendo recebido dois pedidos de apoio que acabaram por ser retirados.
 
"Uns são apartamentos de férias, outros são de habitação permanente e estes já têm soluções próprias, ao que pudemos apurar, por isso não é espectável que recebamos pedidos de apoio", adiantou.
 
Segundo o autarca, esta manhã houve ainda um "pequeno reacendimento" do incêndio, com origem num colchão, mas que foi "rapidamente controlado" pelos operacionais que ainda estão no local.
 
O incêndio, que teve início às 03:08 de sábado e só foi dado como dominado às 09:30, deflagrou nos pisos superiores do Cascais Atrium, num edifício composto por dez pisos.
 
No próprio dia foi feita uma vistoria técnica que concluiu que a estrutura não foi afetada, mas os apartamentos não ofereciam condições de habitabilidade.
 
Durante o dia de domingo, os moradores puderam regressar às suas casas para avaliarem os estragos e recuperar alguns pertences.
 
Na sequência do incêndio seis pessoas foram assistidas, "apenas por precaução", no Hospital de Cascais, devido à inalação de fumos.
 
O combate ao incêndio foi dificultado por ter deflagrado não apenas no interior das habitações, mas também no exterior, no átrio do edifício.
 
No local estiveram ainda 94 operacionais dos bombeiros, da PSP, da Polícia Municipal de Cascais e da Proteção Civil.