Cada português produziu 487 quilos de lixo em 2011

Cada português produziu 487 quilos de lixo em 2011
Cada português produziu 487 quilos de lixo em 2011, mais de um quilo por dia, totalizando quase cinco milhões de toneladas, e mais de metade foi para aterro, segundo um relatório da Agência Portuguesa do Ambiente.
O Relatório do Estado do Ambiente 2012, disponível no site da APA, conclui que a produção de resíduos urbanos em Portugal continental foi de 4,894 milhões de toneladas em 2011, menos 6% que no ano anterior, mais ainda assim acima da meta prevista no plano estratégico desta área, que é de 4,768 milhões de toneladas.
A produção de resíduos urbanos por habitante foi 487 quilos, o que corresponde a 1,33 quilos por dia, abaixo do valor da União Europeia que era de 502 quilos em 2010.
A região de Lisboa e Vale do Tejo lidera a produção de lixo, com 39%, seguida da região norte, com 31%, e em terceiro lugar aparece o centro, com 16%.
Do total de lixo urbano produzido, somente 15,6% tem como destino a recolha selectiva.
No ano passado, a deposição em aterro continuava a ser o destino de mais de metade dos resíduos urbanos (58%), embora registe uma redução de 3% na comparação com 2010.
O restante lixo teve como destino a incineração com recuperação de energia (20%), a recolha selectiva para reciclagem (14%) e a valorização orgânica (9%). Qualquer uma destas soluções apresentou crescimentos reduzidos, de 2% na incineração e de 1% nas restantes.
Mais de metade dos resíduos de embalagem foi reciclado, ou seja 57% do total de 1,584 milhões de toneladas, tendo sido cumprida, e mesmo ultrapassada, a meta prevista para 2011 (55%). A valorização das embalagens usadas foi conseguida em 62% deste lixo.
Do total de lixo produzido, cerca de 54%, ou 2,620 milhões de toneladas, foram resíduos urbanos biodegradáveis que o plano estratégico para os resíduos sólidos urbanos até 2016 pretende sejam cada vez mais valorizados e desviados do aterro.
Em 2011, do total de lixo biodegradável produzido, dois terços (63%) foi encaminhado para aterro, 21% teve valorização energética, 10% foi valorizado organicamente e 6% foi reciclado, principalmente papel e cartão.