Câmara de Sintra contrata médicos para viabilizar reabertura de três unidades de saúde

Câmara de Sintra contrata médicos para viabilizar reabertura de três unidades de saúde

A Câmara de Sintra contratou três médicos para viabilizar a reabertura dos centros de saúde de Dona Maria, Sabugo e Almargem do Bispo.

"Assinámos um acordo com a Cintramédica para a contratação de três médicos e, assim, temos a possibilidade de reabrir os três centros de saúde", disse à agência Lusa o presidente da Câmara de Sintra, Basílio Horta.

O contrato vai vigorar "até ao final do ano", altura em que deverá estar pronta a construção do novo centro de saúde de Almargem do Bispo, e vai custar ao orçamento municipal "cerca de 20.000 euros", adiantou o autarca.

A contratação dos três médicos à empresa Cintramédica representa um encargo de "cerca de 2.800 euros por mês" ao município, revelou Basílio Horta.

O presidente da autarquia espera agora que o ministro da Saúde agende a assinatura do protocolo para a construção de quatro novos centros de saúde no concelho, prevendo-se "que os dois primeiros a serem concluídos sejam os de Queluz e Almargem do Bispo".

O Ministério da Saúde anunciou já a construção de mais dois centros em Algueirão-Mem Martins e Agualva e está a analisar a transferência da unidade de Sintra.

A Câmara cede os terrenos ou edifícios e comparticipa em 30% do investimento para a construção.

A Junta da União de Freguesias de Almargem do Bispo, Pêro Pinheiro e Montelavar vai ceder duas funcionárias administrativas, que estiveram a receber formação na Unidade de Saúde Familiar (USF) de Pêro Pinheiro.

"É uma boa notícia, que vai ao encontro do que a população reivindicou, e abre caminho para a construção da nova USF", disse à agência Lusa o presidente da união das freguesias, Rui Maximiano (PS).

A abertura das unidades deve ocorrer "entre terça e quinta-feira" da próxima semana, acrescentou o presidente da Junta de Freguesia.

As três extensões de saúde encerraram a 09 junho, por decisão do Agrupamento de Centros de Saúde de Sintra (ACES), e as consultas foram concentradas em Negrais.

Os moradores promoveram ações de protesto, alertando que o fecho dos serviços afeta uma população maioritariamente envelhecida e com deficiente ou ausência de transportes públicos para Negrais.

A população de Dona Maria atrasou uma hora, a 25 de maio, a abertura das urnas nas eleições para o Parlamento Europeu e cortou, a 06 de junho, a Estrada Municipal 544, que liga a aldeia a Almargem do Bispo.

Após concentrações em frente às instalações do ACES, em Massamá, a população decidiu manifestar-se em frente ao Ministério da Saúde, em Lisboa, mas o protesto foi desmarcado perante o acordo com a autarquia para a reabertura dos centros de saúde.

O concelho tem 111 mil utentes sem médico de família, possui uma carência de 68 médicos, e vários centros de saúde apresentam falta de condições para os utentes e para os profissionais.