Câmara de Oeiras propõe financiar metro de superfície até ao Cacém

Câmara de Oeiras propõe financiar metro de superfície até ao Cacém
A Câmara de Oeiras propõe-se custear em cerca de 10 milhões de euros o financiamento da extensão do metro de superfície até ao Cacém, mas apenas na condição de que 75% do total seja investimento de fundos comunitários.
Em comunicado divulgado hoje, a autarquia de Oeiras informa que assume o compromisso de investir 10 milhões de euros a repartir pelas três fases de extensão do metro de superfície - Sistema Automático de Transportes Urbanos (SATU) - até ao Cacém (Sintra), em função dos quilómetros no território de Oeiras, num total de 10,490 metros em cada fase.
"No entanto, este montante apenas será disponibilizado pela autarquia, na condição de obtenção de financiamento comunitário (…) no valor de 75% do investimento total", adverte o executivo liderado por Paulo Vistas.
Já no início de abril, o então presidente da Câmara de Oeiras, Isaltino Morais (preso desde o dia 24 de abril), havia dito que a autarquia se iria candidatar ao financiamento comunitário do projeto em conjunto com o município de Sintra.
Segundo referiu Isaltino Morais em abril, o custo global desta obra será de 120 milhões de euros, sendo que cinco milhões poderão ser financiados por fundos comunitários, e outra quantia, cujo valor ainda não está determinado, virá das câmaras municipais de Oeiras e de Sintra. Outra parte do investimento deverá resultar de apoios de privados.
"Na sequência das inúmeras reuniões realizadas, o SATU reúne atualmente condições para apresentação de uma candidatura aos Fundos Comunitários do Programa Operacional de Valorização do Território (POVT) do Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN)", refere hoje o município de Oeiras.
Para sustentar a candidatura, foi desenvolvida uma revisão dos Estudos de Procura e Análise Custo-Benefício, elaborado em 2010 e objeto de atualização em 2013, que "confirmam a sustentabilidade do SATU até à linha ferroviária do Cacém, ao nível da viabilidade económica, relativamente à influência direta na economia local e para a Área Metropolitana de Lisboa".
Segundo a autarquia de Oeiras, prevê-se que o sistema SATU venha a atingir cerca de 30 mil passageiros.
A ligação Algés - Cacém, que irá interligar as linhas férreas de Sintra e Cascais, integra o projeto de expansão do SATU perspetivado há vários anos.
Das principais áreas a ser servidas por este projeto serão os parques empresariais do Lagoas Park e do Taguspark, onde trabalham mais de 16 mil pessoas, o Instituto Superior Técnico e a Universidade Católica e, ainda, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) e a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), os aglomerados populacionais de Paço de Arcos, Porto Salvo, São Marcos e Cacém.
O SATU de Oeiras é gerido pela Câmara de Oeiras (51%), em parceira com a empresa privada Teixeira Duarte (49%).
No atual trajeto de cerca de 1,2 quilómetros entre Paço de Arcos e o Oeiras Parque, o SATU regista uma média diária de 550 passageiros.