Basílio Horta quer mais polícias em Sintra, ministro explica fecho de esquadras em Lisboa

Basílio Horta quer mais polícias em Sintra, ministro explica fecho de esquadras em Lisboa

O ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, disse hoje que a PSP vai encerrar esquadras em Lisboa para melhorar o dispositivo policial, rejeitando que esta reorganização esteja a ser feita por razões económicas.

"Este trabalho não tem preocupações economicistas", disse Miguel Macedo, na cerimónia que assinalou o 147.º aniversário do Comando Metropolitano de Lisboa da PSP (Cometlis), que decorreu em Sintra.

Por seu lado, o presidente da Câmara de Sintra, Basílio Horta, aproveitou a presença do governante para lembrar a necessidade de reforçar os meios das forças policiais do concelho de Sintra.

Basílio Horta, que discursou no Palácio Valenças, considerou que as forças policiais têm que ter as condições para levarem a cabo a sua missão, sendo a segurança uma das premissas da democracia: “A segurança é um bem inestimável”, afirmou.

O presidente da autarquia afirmou a “grande consideração que a Câmara de Sintra tem pela PSP” e sublinhou a necessidade de avançar com a instalação do comando da Divisão de Sintra da PSP e da Esquadra de Agualva-Cacém na Melka, uma antiga fábrica em Agualva-Cacém.

A cerimónia teve início em frente ao Palácio Nacional da Vila, com a formatura policial e a prestação de honras policiais, seguindo depois para o Palácio Valenças, onde teve lugar um Colares de Honra seguido de condecorações e entrega de louvores.

No seu discurso, o ministro falou das alterações que estão em curso no Cometlis, considerando que a reestruturação pretende "melhorar o dispositivo num território vasto e povoado".

Para o Comando Metropolitano de Lisboa, a PSP propõe o encerramento de 11 esquadras e a abertura de dois Serviços de Atendimento Partilhado e de Policiamento de Proximidade (SAPPP).

Segundo Miguel Macedo, as alterações em curso no COMETLIS têm como objetivo adequar a cobertura policial ao território, acessibilidade das populações e condições operacionais.

O ministro sublinhou também que, atualmente, na zona de Lisboa, há "uma divisão policial desequilibrada", esquadras que estão "a 600 e 700 metros uma das outras" e com excesso de pessoal em funções administrativas, possibilitando esta reforma libertar agentes para o policiamento.

Miguel Macedo referiu ainda que o Governo quer continuar a investir no melhoramento das instalações das forças de segurança, estando em curso 50 obras na PSP e GNR.

 

Fotos: Câmara Municipal de Sintra