Basílio Horta defende sociedade de reabilitação urbana para Sintra

Basílio Horta defende sociedade de reabilitação urbana para Sintra

O candidato socialista à presidência da Câmara de Sintra, Basílio Horta, anunciou hoje que se vencer as eleições autárquicas de setembro vai criar uma sociedade de reabilitação urbana para recuperar o património e o espaço público do município.
"Sintra é Património Mundial da Humanidade e temos que ter um cuidado muito grande de recuperação aqui. Temos de olhar para património que está abandonado e que não deve continuar assim. Vamos ter uma sociedade de requalificação urbana, com verbas da comunidade europeia", disse o candidato socialista à agência Lusa.
Basílio Horta considerou que esta sociedade de reabilitação terá como objetivo a requalificação do espaço público em duas vertentes: na vila de Sintra incidirá na recuperação de património que “está abandonado e fechado" e nas zonas urbanas intervirá na requalificação de espaços verdes e de zonas de lazer.
O também deputado socialista e cofundador do CDS-PP esteve hoje numa ação de campanha para as eleições autárquicas de 29 de setembro junto dos comerciantes da zona da Estefânia, na vila de Sintra.
Alguns dos moradores e comerciantes do local falaram com o candidato e muitos deles pediram um olhar mais atento e dinâmico para a vila Património Mundial da Humanidade.
Basílio Horta considerou que "a maioria das pessoas constata que a vila de Sintra está parada há muito tempo e que deve ser feita alguma coisa que não a estagnação ou o imobilismo".
"Há um sentimento de angústia [por parte dos comerciantes], pois a diminuição de clientela é visível. Vamos ter que fazer aqui uma política a nível camarário que possibilite que os efeitos negativos da política nacional não cheguem aqui com a mesma intensidade", afirmou.
O candidato socialista adiantou que pretende criar um gabinete de apoio ao investidor, cujos principais objetivos passam por criar emprego e captar investimento, bem como um conselho estratégico com representantes da agricultura, do comércio e da indústria e serviços.
"Temos que criar medidas de fomento de emprego através de um acompanhamento do investimento que existe em Sintra, para que empresas não se deslocalizem para fora do concelho e para atrair empresas para o município. Esse gabinete terá três secções, uma para acompanhar os investidores que já cá estão, outra para atrair novos investimentos e uma terceira para fazer a ligação entre os empresários de Sintra e o Governo Central", disse.
Além de Basílio Horta, são já conhecidas as candidaturas de Marco Almeida (independente), Pedro Pinto (PSD/CDS-PP) Pedro Ventura (CDU), Luís Fazenda (BE), Nuno da Câmara Pereira (PND), Barbosa de Oliveira (independente) e Nuno Azevedo (PAN).

LUSA