Avaria que impedia a emissão de novas matrículas quase resolvida

Avaria que impedia a emissão de novas matrículas quase resolvida
O secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, afirmou hoje que o problema no sistema informático do Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT), que impedia a emissão de matrículas a veículos automóveis, está praticamente resolvido.
 
"Neste momento, há total compatibilidade entre os sistemas informáticos da Autoridade Tributária e do IMT relativamente à possibilidade de fazer o registo rápido de matrículas, quer dos veículos de importação, que os importadores querem registar para depois vender, quer na própria renovação ou atribuição de matrículas por parte de particulares", disse hoje o governante, à margem da conferência "Porto de Setúbal - A resposta Imediata -- uma estratégia portuária coerente", em Setúbal.
 
Em declarações aos jornalistas, Sérgio Monteiro explicou que 90% dos problemas já estão resolvidos neste momento, designadamente para os importadores, enquanto para os particulares a situação deverá também ficar normalizada durante o dia de hoje.
 
A emissão de matrículas para veículos novos estava parada desde segunda-feira, devido a uma avaria no sistema informático do IMT, segundo um esclarecimento da Associação Automóvel de Portugal -- ACAP, como a Lusa noticiou na quarta-feira.
 
Em declarações à Lusa, o secretário-geral da ACAP, Hélder Pedro, disse que o IMT não emite novas matrículas desde segunda-feira, o que está a paralisar o setor automóvel, com grande procura no mês de dezembro de consumidores a anteciparem a aquisição de automóveis, uma vez que em janeiro há um agravamento do Imposto Sobre Veículos (ISV).
 
"Neste momento, existe uma nova avaria, agora no sistema informático do IMT. De acordo com informações do Departamento de Informática do IMT, o Sistema Informático de Veículos e Homologações não consegue processar os ficheiros provenientes da Autoridade Tributária", esclareceu a associação numa nota aos seus associados.
 
A Lusa pediu esclarecimentos ao IMT, mas até ao momento não obteve respostas do organismo público.