Autoridades lançam novo alerta de mau tempo no País

Autoridades lançam novo alerta de mau tempo no País

A Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) emitiu hoje um aviso devido à previsão de precipitação, vento e trovoada na quarta e quinta-feira, recomendando à população a adopção de medidas preventivas.

No aviso, a ANPC informa que, segundo o Instituto de Meteorologia, prevê-se para os dois dias “períodos de chuva na região sul, passando a regime de aguaceiros, com início na madrugada de quarta-feira, estendendo-se gradualmente à região centro, podendo ser, por vezes, fortes”, em especial a sul do sistema montanhoso Montejunto-Estrela.

“Existem ainda condições favoráveis à ocorrência de trovoada a partir da tarde, vento forte (até 50 km/h) do quadrante leste nas terras altas, tornando-se do quadrante sul a partir da tarde e agitação marítima na costa sul do Algarve, com ondas de sueste até 2,5 metros”, adianta o documento.

Segundo a Proteção Civil, perante estas condições meteorológicas são expectáveis vários efeitos, como “piso rodoviário escorregadio e eventual formação de lençóis de água”, e a possibilidade de “cheias rápidas em meio urbano”, devido à acumulação de águas pluviais ou insuficiência dos sistemas de drenagem.

A ANPC refere ser também possível inundações devido ao “transbordo de linhas de água em zonas historicamente mais vulneráveis” ou “danos em estruturas montadas ou suspensas”.

O aviso adianta que estes eventuais impactos podem ser minimizados, recomendando à população que observe as medidas de autoprotecção para estas situações, em particular “nas zonas historicamente mais vulneráveis”.

Entre as medidas preventivas está a “desobstrução dos sistemas de escoamento das águas pluviais e retirada de inertes e outros objectos que possam ser arrastados”.

A fixação de estruturas soltas e a adopção de uma condução defensiva estão igualmente entre os conselhos da Protecção Civil.

A ANPC pede, ainda, à população um “especial cuidado na circulação junto da orla costeira e zonas ribeirinhas historicamente mais vulneráveis a inundações rápidas”, recomendando para que não pratique actividades ligadas ao mar, nomeadamente pesca desportiva, desportos náuticos e, mesmo, passeios à beira-mar.