Autarcas defendem eletrificação total e alteração do traçado da Linha do Oeste

Autarcas defendem eletrificação total e alteração do traçado da Linha do Oeste
Os autarcas das câmaras da região Oeste solicitaram uma reunião ao ministro das Infraestruturas para pedir a eletrificação da Linha do Oeste em toda a sua extensão e a alteração do traçado, disse hoje o presidente da Comunidade Intermunicipal.
 
"Não concordamos com a eletrificação da linha [ferroviária] só até às Caldas, porque não a dinamiza na sua totalidade, quando queremos que tenha ligação até Coimbra", disse à agência Lusa Pedro Folgado, também presidente da Câmara de Alenquer.
 
"Sem a eletrificação ao longo de toda a linha, a linha não será sustentável", defendeu.
 
A posição foi assumida pelos presidentes dos 12 municípios, na última reunião do conselho executivo da Comunidade Intermunicipal do Oeste, cujas câmaras são na sua maioria do PS.
 
Os autarcas querem também pedir ao ministro que inclua no Plano de Investimentos para a Ferrovia até 2020 a alteração ao traçado da linha a partir da Malveira e até Lisboa, em vez de os comboios irem para Sintra.
 
Contactado hoje pela Lusa, o Ministério das Infraestruturas não deu ainda mais esclarecimentos.
 
O Plano de Investimentos para a Ferrovia até 2020 prevê um investimento na linha ferroviária do Oeste (Sintra/Figueira da Foz) de 106,8 milhões de euros para obras de modernização, que incluem a eletrificação da linha entre Meleças (Sintra) e Caldas da Rainha.
 
O lançamento do respetivo concurso público deve decorrer até janeiro de 2017.
 
Segundo o documento, o Governo espera uma comparticipação dos novos fundos comunitários de 74,1 milhões de euros.
 
A Comunidade Intermunicipal do Oeste integra as câmaras de Alcobaça, Alenquer, Arruda dos Vinhos, Bombarral, Cadaval, Caldas da Rainha, Lourinhã, Óbidos, Nazaré, Peniche, Sobral de Monte Agraço e Torres Vedras.
 
Num comunicado hoje divulgado, o PSD/Oeste - que inclui as concelhias de Alenquer, Arruda dos Vinhos, Cadaval, Lourinhã, Sobral de Monte Agraço e Torres Vedras – mostra-se satisfeito por a Linha do Oeste "continuar como investimento prioritário do Governo" e refere que a sua eletrificação vai "melhorar as condições das carruagens e a circulação na via", reduzindo as emissões de dióxido de carbono e contribuindo para haver mais horários e mais passageiros.
 
Contudo, os sociais-democratas "apelam a um novo traçado entre Malveira e Loures", já que essa melhoria "continuará a ser insuficiente para captar mais utentes do Oeste" sem a ligação direta a Lisboa, por não conseguir competir com as ofertas rodoviárias de transportes e pelo tempo da deslocação.
 
Na última assembleia, a distrital do PSD decidiu solicitar uma reunião ao secretário de Estado das Infraestruturas, no sentido de saber mais pormenores do plano de investimentos e defender a necessidade de alteração do traçado.