As caríssimas canções de Sérgio Godinho ao vivo em Lisboa e no Porto

As caríssimas canções de Sérgio Godinho ao vivo em Lisboa e no Porto

Caetano Veloso, Jacques Brel, Zeca Afonso e Rolling Stones são alguns dos artistas de eleição de Sérgio Godinho, intérprete de "caríssimas canções", que vai revisitar ao vivo, em Lisboa e no Porto.
O espetáculo "Caríssimas canções", com Hélder Gonçalves, Manuela Azevedo e Nuno Rafael, ao lado de Sérgio Godinho, será apresentado na sexta-feira, no Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa, e no dia 15 de junho, na Casa da Música, no Porto.
O CCB tinha apresentado "carta branca" a Sérgio Godinho para um espetáculo em Lisboa, surgindo a ideia de transpor para palco as crónicas que escreveu no ano passado, no semanário Expresso, sobre as canções da sua devoção.
Sérgio Godinho escreveu sobre 40 canções - recuperando o número redondo de outros tantos anos de composição, desde a edição do álbum "Os sobreviventes" (1971) - e algumas delas ganham agora nova interpretação na sua voz.
"Esta aventura de fazer versões ou 'covers' tem riscos de se tornar naqueles 'covers' de bares que ficam sempre inferiores ao original. Tínhamos que ter uma atitude mais radical em relação à instrumentação", afirmou Sérgio Godinho à agência Lusa.
O músico vai interpretar vinte versões, sendo certas as inclusões de "Heartbreak Hotel" (conhecida na voz de Elvis Presley), "Sampa", de Caetano Veloso, "Mother's little helper", dos Rolling Stones, e "Os vampiros", de Zeca Afonso.
A estas versões, Sérgio Godinho juntará o seu próprio repertório, aquele que se cruza melhor com as canções alheias e não é necessariamente o mais conhecido: "São esses diálogos que me interessam, meus com os outros, das minhas canções com os outros".
As crónicas semanais do Expresso foram reunidas no livro "Caríssimas 40 cannções", editado há um ano pela abysmo, com ilustrações de Nuno Saraiva, e nele Sérgio Godinho explicou que as escolhas estiveram relacionadas com as suas memórias e com o desejo de saber mais sobre os autores.
Nas crónicas, Sérgio Godinho fala sobre os Beatles e Bob Dylan, Peggy Lee, Tony de Matos, Robert Wyatt, Paco Ibañez ou sobre os Doors e o Conjunto de António Mafra.
"Agir com cartas fora do baralho é salutar e é um estímulo muito diferente e dá trabalho, é um desafio. A entrada noutros territórios e fazê-los nossos. Vai estar muito de mim ali", admitiu Sérgio Godinho sobre os dois concertos.
Em 2011, ano em que cumpriu quatro décadas dedicados à música, Sérgio Godinho editou o álbum de originais "Mútuo consentimento".
O músico reuniu depois 40 letras de canções suas, que foram ilustradas por 40 artistas portugueses, para o livro "Sérgio Godinho e as 40 ilustrações".