APSI lança campanha dirigida a automobilistas para evitar atropelamentos de crianças

APSI lança campanha dirigida a automobilistas para evitar atropelamentos de crianças
A Associação para a Promoção da Segurança Infantil (APSI) lançou hoje uma campanha nacional de sensibilização dirigida aos automobilistas para prevenir atropelamentos de crianças e jovens, que todas as semanas fazem mais de 20 vítimas.
 
Dados divulgados hoje pela associação em comunicado referem que, semanalmente, "mais de 20 crianças e jovens morrem ou ficam feridos na sequência de um atropelamento, o que representa 32% da totalidade dos acidentes em ambiente rodoviário, nestas faixas etárias".
 
A maioria destes atropelamentos acontece entre os 10 e os 14 anos em zonas residenciais e durante os percursos entre casa e a escola, refere a APSI, com base numa análise que realizou a dados da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) relativos a 2015.
 
Para combater estes números, e aproveitando o início do ano letivo, a APSI lançou esta campanha que pretende sensibilizar os condutores "para a especial vulnerabilidade das crianças enquanto peões e para a necessidade de alterarem os comportamentos que aumentam o risco de atropelamento nestas idades".
 
"Um carro parado em cima de uma passadeira, de um passeio ou em segunda fila pode esconder uma criança dos 'olhos' dos condutores ou obrigá-la a usar a estrada para andar, o que aumenta o risco de ser atropelada", adverte a associação.
 
Alerta ainda que o comportamento das crianças é muito diferente dos adultos quando andam na rua. "É normal que as crianças se desloquem a correr, que se distraiam a brincar ou que voltem para trás quando menos se espera".
 
Além disso, por serem mais baixas, as crianças não são tão visíveis aos condutores e o seu campo de visão é mais reduzido, tendo mais dificuldade em ver e em ser vistas.
 
A presidente da APSI, Sandra Nascimento, salienta que "andar a pé é um direito da criança, para além de um comportamento saudável e sustentável", sublinhando que a sua segurança e e mobilidade "não podem estar comprometidas pelo excesso de carros e pelo comportamento abusivo dos condutores".
 
A campanha, que termina a 04 de outubro, decorrerá nas televisões generalistas e por cabo, em alguns canais de circuito interno de televisão, rádios, revistas, jornais nacionais e locais e nas redes sociais.
 
Vão ser distribuídos milhares de 'flyers' pela Escola Segura da PSP e GNR junto de escolas e por inúmeras escolas de condução e centros de inspeção automóvel de todo o país, que se associaram à campanha.
 
Paralelamente, a imagem da campanha "circulará" em pacotes de açúcar, em transportes públicos e em 'mupis' em várias cidades, com o apoio de autarquias e empresas ligadas aos transportes.
 
Na quinta-feira de manhã, a PSP, a GNR e a APSI vão estar em algumas escolas em Lisboa, numa operação STOP conjunta em que os os condutores serão abordados e sensibilizados para a necessidade de adaptarem o seu comportamento perto de escolas e outros locais com crianças para evitarem os atropelamentos.
 
A campanha é apoiada pelo Ministério da Administração Interna, a ANSR e a Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões.