Amadora cria plano para melhorar qualidade de vida dos idosos

Amadora cria plano para melhorar qualidade de vida dos idosos
A criação de uma comissão de proteção dos direitos dos idosos e de um guia para a reforma são algumas das medidas previstas no Plano Estratégico para o Envelhecimento Sustentável (PEES) apresentado hoje pela Câmara da Amadora.
   
O documento, que está pensado para o período 2016-2025, foi elaborado com a ajuda de uma equipa do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, que levou a cabo um projeto de investigação, com base em reuniões e entrevistas a idosos.
 
A presidente da Câmara Municipal da Amadora, Carla Tavares (PS), explicou que o PEES pretende tornar o município "mais amigo dos idosos", melhorando a sua qualidade de vida.
 
"O território da Amadora, à semelhança do que vai acontecendo pelo resto do país, tem vindo a ser marcado por um envelhecimento gradual da sua população. Neste momento 20% da população do nosso concelho tem mais de 65 anos. Urgia encontrar respostas sérias, responsáveis e eficazes", justificou.
 
Nesse sentido, a autarca referiu que a autarquia recebeu contributos e sugestões de cerca de 700 idosos para a elaboração do PEES, como o rebaixamento de passadeiras, a colocação de sinais sonoros nos semáforos ou a remoção de pilaretes.
 
"São coisas tão simples de que às vezes, quando estamos a intervir no território, nos esquecemos ou não prestamos atenção", apontou.
 
Carla Tavares explicou que o PEES vai assentar em quatro eixos de intervenção: Cuidados básicos, subsistência e suporte à vida; Inclusão na comunidade; Participação socioeconómica e cívica, aprendizagem ao longo da vida e fruição cultural; e Qualificação das organizações e responsabilidade social).
 
Cada um dos eixos tem um conjunto de objetivos estratégicos e iniciativas.
 
Um projeto de valorização do património cultural e histórico das pessoas idosas da Amadora e um prémio a projetos inovadores na área do envelhecimento são outras das medidas contempladas.
 
"Muitas vezes queixamo-nos de que os idosos ficam presos em casa. Cabe-nos criar as condições para que o espaço público seja mais amigável", concluiu.