ACP contesta sistema para multar carros antigos que circulem em Lisboa

ACP contesta sistema para multar carros antigos que circulem em Lisboa

 

A intenção do município lisboeta de instalar um sistema de leitura de matrículas para multar os carros mais antigos e poluentes do centro “não faz sentido num momento de crise”, defendeu hoje o presidente do Automóvel Clube de Portugal.
“Estas medidas não têm qualquer sentido num momento de crise como este, porque as pessoas não têm dinheiro para comprar carro”, disse Carlos Barbosa à Agência Lusa.
O presidente do Automóvel Clube de Portugal (ACP) reagia à intenção da Câmara de Lisboa de instalar no próximo ano um sistema de identificação de matrículas nas duas Zonas de Emissão Reduzida (ZER), onde actualmente veículos com matrículas anteriores a 1996 ou 1992 (dependendo da zona) já são impedidos de circular.
“Vai haver um sistema de identificação de matrículas nas zonas de emissão reduzida, mas ainda não está definido qual. O objectivo é controlar os carros que circulam nas ZER 1 e 2”, disse fonte da câmara à Lusa.
A mesma fonte justificou esta medida com a necessidade de existir “um sistema tipo o das SCUT [antigas estradas sem custos para o utilizador, agora pagas] que permita controlar efectivamente a situação”, ou seja, multar os incumpridores.
A Câmara de Lisboa pretende ainda alargar as limitações à circulação nas ZER para carros anteriores a 2000 e 1996, disse o vereador da Mobilidade, Nunes da Silva, à TSF.
Para exemplificar como a crise está a afectar o sector automóvel, o presidente do ACP referiu que se “vendem actualmente menos 100 mil carros do que há três anos”.
Carlos Barbosa apontou ainda outro entrave a esta medida: “Não há alternativa ao transporte individual porque os públicos são maus”.
Referindo-se aos táxis, considerou que a medida também prejudica este sector porque “há muitos anteriores a essas datas”.
Desde o dia 01 de Abril que os veículos anteriores a 1992 têm restrições à circulação mais apertadas em Lisboa, no seguimento da implementação da segunda fase ZER, criada pela câmara com o objectivo de melhorar a qualidade do ar.
Desde essa data, os veículos ligeiros e pesados anteriores àquele ano (sem catalisador) ficaram proibidos de circular na zona a sul do eixo criado pelas avenidas de Ceuta, das Forças Armadas, dos Estados Unidos da América, Marechal António Spínola, Santo Condestável e Infante D. Henrique e pelo Eixo Norte/Sul (ZER 2).
Também as viaturas anteriores a 1996 estão impedidas de circular no eixo Baixa/Avenida da Liberdade (ZER 1), onde desde Julho de 2011 a limitação já vigorava para carros sem catalisador.
De fora destas restrições ficaram os táxis e os autocarros, que têm um período alargado para fazerem as modificações técnicas que os permitam circular nas zonas de emissões reduzidas.