‘Não saímos sem garantias de um novo porto de pesca!’

‘Não saímos sem garantias de um  novo porto de pesca!’

Sindicato dos Pescadores alerta para a situação que afecta armadores e tripulantes de 60 embarcações da Docapesca.

Tal como os velejadores que vêm ocupar o lugar que há muito era seu na Docapesca de Pedrouços, também os pescadores profissionais das áreas fluviais e marítimas mais próximas de Lisboa enfrentam duras provas, diariamente, quando deixam terra firme. Para além dos perigos quando sopram maus ventos e dos preços irrisórios pagos pelo peixe que trazem nos barcos, sentem na pele a falta do que mais abunda nos barcos à vela que vêm a Lisboa competir na Volvo Ocean Race: apoios à sua actividade. A começar por um porto de pesca digno desse nome. Por causa dessa ‘injustiça’ os homens do mar estão dispostos a estragar a festa náutica internacional que atraca na capital portuguesa a 31 de Maio. No próximo dia 18, os pescadores reúnem-se com a Secretaria de Estado das Pescas, num último esforço para conciliar posições. Não muito longe de Pedrouços, a Praia Velha de Paço de Arcos surge cada vez mais como uma possível solução, ainda que subsistam, aparentemente, divergências entre a Câmara de Oeiras e a Administração do Porto de Lisboa (ver caixa). Para os pescadores a hora é de exigir uma solução duradoura e de futuro.

“Já chega de sermos tratados como um estorvo, é inaceitável que Lisboa não tenha um porto de pesca”, resume Joaquim Piló, na sede do Sindicato Livre dos Pescadores (SLP) que está por dias até ir abaixo, obrigando à transferência para Santos. Se a mudança se confirmar, ficará perto da estação de comboios e da doca para onde a Administração do Porto de Lisboa (APL) quer que vão agora armadores e tripulantes de 60 embarcações que até há poucos meses acostavam na Docapesca.

Ler a notícia completa em: http://jr.jornaldaregiao.pt/Oeiras.pdf